Redação no Enem: o uso do argumento de autoridade

Redação no Enem: o uso do argumento de autoridade

6 de junho de 2019 Off Por Equipe ProEnem

Escrito por Leonardo Chaves (Letras/Unilab)- Estudante voluntário do projeto PROENEM

No ENEM, a redação é de caráter dissertativo-argumentativo, ou seja, você deve defender uma tese, uma opinião a respeito do tema, baseada em argumentos sólidos e organizados de forma coesa e coerente, além de apresentar uma proposta de intervenção social, para a solução do problema. O texto dissertativo cobrado pelo ENEM exige de você, aluno, a explanação e explicação do ponto de vista, através de uma argumentação estruturada e eficaz.

Para que possamos argumentar com propriedade devemos levar em conta o nosso repertório. Além disso, se faz necessário ter em mente que um argumento bem estruturado e embasado pode aumentar a sua nota. Pensando nisso, trazemos aqui uma das técnicas argumentativas que podem ser utilizadas: o argumento por autoridade.

Fundamentar sua argumentação a partir de estratégias que se voltem para o discurso de oradores de prestígio, ou seja, o discurso de autoridades, é fundamental para a construção de uma boa redação. Uma prova disso encontramos nas redações que atingiram nota máxima no ano passado, vejamos:

  1. Em segundo lugar, o ser humano perde sua capacidade de escolha. Conforme o conceito de “Mortificação do Eu”, do sociólogo Erving Goffman, é possível entender o que ocorre na internet que induz o indivíduo a ter um comportamento alienado. Tal preceito afirma que, por influência de fatores coercitivos, o cidadão perde seu pensamento individual e junta-se a uma massa coletiva. (redação produzida por Jamile Borges, 19 anos)
  2. Primeiramente, vale ressaltar o efeito que a falta de informação possui na manipulação das pessoas. Consoante à Teoria do Habitus elaborada pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu, a sociedade possui padrões que são impostos, naturalizados e, posteriormente, reproduzidos pelos indivíduos. (redação produzida por Vanessa Tuwde, 19 anos.)

No exemplo A, percebemos algo muito interessante. Temos um típico argumento de autoridade, mas ele não se baseia em uma frase dita por alguém, mas apela a um conceito, algo maior, defendido por um especialista. Com esse conceito, a estudante introduz a sua tese de que o mundo virtual fornece uma falsa liberdade de escolha aos usuários. Agora, já podemos ampliar o nosso entendimento a respeito desse tipo de argumento, pois ele não acontece a partir de citações aleatórias de frases. Na verdade, o Argumento de Autoridade permite a introdução de um conceito defendido por um estudioso, de uma teoria postulada por um pesquisador, de um livro importante, de dados de uma pesquisa ou de uma frase dita por alguém.

No exemplo B, chamamos a atenção para algo bastante importante. Se citarmos uma teoria ou um conceito, é sempre necessário explicar essa referência e encaixá-la de forma coesa e coerente eu seu texto. Com experiência na correção de redações produzidas dentro do Proenem, percebemos que em muitas redações há citações fortuitas, que não se encaixam dentro do tema em questão. Vejamos que no exemplo citado, a estudante explica a teoria que citou, defendendo a sua tese de que a falta de informação causa efeito na manipulação das pessoas e, assim, o desconhecimento da realidade virtual permite o desenvolvimento de uma ilusória liberdade de escolha.

            Com tudo isso, podemos concluir que utilizamos o argumento de autoridade no objetivo de convencer o leitor (no nosso caso, o corretor) a aceitar o nosso ponto de vista. Para isso, nos baseamos em uma autoridade, no que ela enuncia, no seu conhecimento especializado e na sua credibilidade social. Tendo essa técnica argumentativa em mente, conseguiremos alcançar, com toda certeza, pontos positivos na competência